03/01/2005

1 de Janeiro de 2005


O meu egoismo permitiu-me alguns dias fora do mundo, alguns dias dentro de mim.

30 de dezembro de 2004

Os dias de 2004 já se atropelavam com pressa de passar, já não havia tempo para mais. O ano acabou muito antes de chegar 2005. Assim decidi partir, para longe, com uma mochila cheia de mim. Não gosto de despedidas e, não saberia lidar com a normal euforia estabelicida pelos banais mortais num dia como o último dia do ano. Assim afastei-me para perto de seres que não conhecem o calendario e, distinguem os dias das noites pela tenua luz das estrelas.

A viagem demorou apenas um par de horas. Retirei da mochila parte de mim e essa parte fez me companhia, tocando musicas tão minhas conhecidas (Eternos Ornatos). Assim com os ouvidos lavados do silencio urbano parti para o barulhento mundo natural.

A noite veio cedo, os dias ainda são pequenos apesar de terem 24horas como todos os outros... o relogio tocou doze vezes. O meu carro não se transformou numa abobora, nem sequer perdi um sapato. olhei pela janela para o horizonte recortado em forma de ondas. Também não havia sinal do principe encantado. E eu não era a bela adormecida por isso não dormi. Sentei-me na varanda e deixei-me respirar aquele ar cheio de deus.
Fumei o meu analgesico personalizado. as dores passaram, o coração já não me apertava. Provei um trago de vinho de uma garrafa que tinha caido por engano na minha mochila. Assim comemorei a entrada nas ultimas 24horas de 2004.

31 de Dezembro de 2004

Caida no chão da varanda. O cigarro numa mão, uma garrafa de vinho na outra, o olhar nas estrelas e o coração tão perto de ti. Mesmo assim desliguei tudo. Era só eu e o ceu. Tenho a certeza que não dormi mas mergulhei tão dentro de mim que me perdi em sonhos, mesmo acordada.
despertei de mim com o primeiro raio de Sol. Horas? Não fazia ideia, mas o ano estava com pressa de acabar e também já não se importava se saltasse umas horas a frente. Estava gelada.
Tomei um banho quente. Bebi um cafe a queimar. Sai para o sol. Na mochila parte de mim.
Caminhei durante tres horas. Ate chegar ao ponto mais alto.

Silencio

Não sei escrever isto. Não consigo contar. O peso do ar. O vento parado. A respiração ofegante. As pernas a tremer. Os olhos a chorarem do frio. O sol a aquecer a alma.

Eu. E o mundo

Tenho a certeza que deus passa ferias ali perto.
Deitei-me embrulhada pelo vento e acariciada pelo Sol. Fiz amor com as estrelas. Contei segredos a lua. Não havia banda sonora para nós. Não houve choro. Não me fez sorrir. Despedi-me de 2004 vendo o Sol desaparecer atras das ondas da terra. Despedi-me de 2004 sem ver ninguem a rir-se da desgraça das horas que findavam. Despedi-me de 2004 e do que 2004 trouxe para mim.

não ouvi as doze badaladas nem vi nenhum fogo de artificio. Mas as estrelas sussuraram-me ao ouvido que 2005 tinha chegado e que a contagem tinha começado de novo. Carrossel de horas.

Fechei os olhos. Quando os voltei a abrir o ceu azul escuro servia me de cobertor. Como um imenso mar profundo.

-Mergulhamos?

Quase juraria ouvir-te dizer

-Atão, não?

3 comentários:

  1. Alguem me disse que esse lugar onde fizeste amor com as estrelas se chama Geres...
    Alguem me disse que não foi planeado...
    Alguem me disse que não fazia ideia do porque...

    Algo me diz que estive a teu lado...

    ResponderEliminar
  2. Grande passagem de ano...Original, diferente do habitual...Que este novo ano traga td q queiras, ou entao n....
    bjs

    ResponderEliminar
  3. T_L_D
    sem duvida diferente... Ao menos é só minha!
    Espero q a tua também tenha sido boa e TUA! :)
    Felicidades...

    Um dia ainda nos encontramos por ai...
    O mundo é tao pequeno!!

    ResponderEliminar

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails